quinta-feira, 22 de outubro de 2009

16 erros comuns sobre ateus

O texto a seguir foi traduzido do Way of the Mind.
  1. Ateus odeiam cristãos e o cristianismo: não, não odiamos. Ateus em geral odeiam as atrocidades cometidas em nome da religião, a desonestidade da maioria delas e a forma como encorajam as pessoas a não pensar ou questionar, e a não acreditar nem usar suas cabeças. Mas daí a odiar cristãos há uma longa distância.
  2. Muitos ateus foram cristãos e deixaram de acreditar por causa de alguma experiência ruim com outros cristãos: errado. Para a maioria não foi necessária uma má experiência. Apenas começamos a questionar, a imaginar o que aconteceria se aplicássemos os padrões da lógica, razão e provas à religião da mesma forma que aplicamos em qualquer coisa nas nossas vidas.
  3. Ateus não tem nenhum senso de moral, já que a moral vem de deus: o velho argumento “sem medo do inferno, não há nada que impeça as pessoas de se transformarem em monstros sangüinários”. Pode ser uma surpresa para a maioria dos cristãos, mas existem razões para ser “bom” além do medo da punição – o que não é bem uma razão e mostra apenas como os cristãos estão sob uma luz ruim. Razões como empatia com outros humanos, sentimentos genuínos dedicados a outros e, o mais importante, princípios racionais. Ser bem comportado apenas porque papai vai te espancar não faz de você uma criança boa.
  4. Os ateus são um grupo unificado, como uma igreja: somos? Eu diria que os ateus são mais diversos livres e independentes que os cristãos, porque somos menos parecidos com ovelhas e não aceitamos as coisas baseados na fé ou vindas de autoridades.
  5. Os ateus sabem, lá no fundo, que existe um Deus, já que isso é perfeitamente óbvio; eles são apenas muito orgulhosos e arrogantes para admitir a existência de alguma coisa maior que eles mesmos: não exatamente. A existência de Deus é óbvia apenas se você sofreu lavagem cerebral (por outros e por sua própria irracionalidade). Nós estamos realmente convencidos de que não existe um Deus.
  6. Ateus não sabem nada sobre o Cristianismo: de novo, não. Alguns ateus provavelmente sabem mais sobre o assunto que outros. No entanto, a religião é tão ubíqua que, goste ou não, todos nós temos graus diversos de contato com ela, com suas crenças. Além disso, muitos ateus são naturalmente curiosos. A maioria dos ateus já leu os livros religiosos, alguns mais de uma vez. Agora, caro crente, pergunte a si mesmo quantos livros, revistas ou ensaios ateus você já leu. Oh, esqueci, tudo é obra de Satanás.
  7. A vida dos ateus é fria e vazia, já que eles não podem sentir a alegria e o amor que vem apenas de Deus: eu jamais me chamaria de frio ou vazio. Tenho as alegrias da amizade, amor, família e de fazer as coisas que amo. E sou auto-suficiente, diferente de qualquer um que diga “não sei como se pode viver sem Deus” – como muitos crentes dizem.
  8. Os ateus são depressivos e niilistas, já que eles acreditam que não há nada depois da morte e, por isso, não há motivo para nada: muito pelo contrário. Nós, diferentemente de vocês, sabemos o quão preciosa é a vida, porque sabemos que é a única. E, isso pode ser um choque para vocês, podemos amar nossas vidas, sentir alegria de estar vivos, porque não acreditamos que este é “um mundo do diabo”, ou que “tudo é um teste antes da coisa real”. A vida é preciosa e é nossa, não de um deus qualquer.
  9. Os ateus são frios e pouco carinhosos: não, não somos. Ter ilusões não faz de ninguém mais carinhoso. E, de novo, tratamos a vida como preciosa e fazemos o possível para melhorá-la, tanto as nossas quanto as de quem amamos. Por outro lado, muitos cristãos acreditam que a vida é sofrimento e que não há nada que se possa fazer a respeito.
  10. Ateus são arrogantes: não. Apenas ousamos usar nossas mentes no lugar de perguntar “quem somos nós para saber?”. Não somos arrogantes porque não nos considerarmos os escolhidos. Não somos arrogantes porque não ditamos regras de conduta. Não somos arrogantes porque não segregamos quem pensa diferente de nós. Não, não somos arrogantes.
  11. Os ateus querem escapar da adoração religiosa: errado. Apenas não queremos sofrer com ela. Se você deseja acreditar em Deus, Jesus, Papai Noel ou na Fada do Dente, acredite. Quer ensinar nossas crianças a fazer o mesmo? Sinto pena delas, mas levará muitos anos até que as pessoas percebam que, em matéria de razão, as crianças são tão incapacitadas quanto são as asas de um pequeno pássaro. Quer dar seu dinheiro para um cara com uma BMW e um corte de cabelo horrível? Tudo bem. Mas não tente me salvar, não me incomode no meio da rua ou em casa, não consiga políticos que formulem leis para dar mais poder a vocês, não tentem ensinar religião nas aulas de ciência ao rebatizá-la e classificá-la como “ciência” e não usem o dinheiro dos meus impostos para escrever suas idiotices em locais públicos. Em resumo, façam como quiser, desde que fique entre vocês – da mesma forma que não saio por aí tentando “desconverter” ninguém.
  12. Os ateus são incapazes de sentir prazer nas coisas simples, como um lindo pôr-do-sol, já que eles veem tudo sob a ótica da frieza da ciência, sem pensar que tudo é milagre: desnudando o arco-íris – a ideia de que beleza e poesia existem apenas se sabemos pouco ou nada de como as coisas funcionam. Mas eu pergunto: o fato de saber sobre astronomia, física e luz diminui a beleza do pôr-do-sol? Ele é bonito apenas porque parece “mágico” ou “um ato de Deus” para vocês?
  13. Os ateus vivem em constante medo da morte: poucas pessoas realmente querem morrer, apenas os ao mesmo tempo deprimidos e suicidas e os cristãos que acreditam que o mundo é um trabalho do demônio e rezam “por favor, Senhor, leve-me”. O medo da morte é perfeitamente natural. E também acreditamos que esta é “a vida”, o que nos faz tratá-la como uma preciosidade. Além disso, não acreditamos que depois de mortos podemos ir para um lugar em que queimaremos e seremos torturados pela eternidade.
  14. A maioria dos criminosos é de ateus (ou, a percentagem de ateus dentre os criminosos é mais alta que na população em geral): por incrível que pareça, a verdade é exatamente o oposto. Ateus são minoria, mesmo em número relativos comparados à sociedade, em qualquer sistema prisional.
  15. Os ateus são burros e de “cabeça fechada”: pergunte a qualquer crente o que o convenceria do erro e o persuadiria a deixar a religião e se tornar um ateu. Se você obtiver uma resposta, será quase sempre “nada, eu tenho fé em Deus”. Embora essas pessoas possam existir, ainda não encontrei um teísta que pudesse reconhecer a possibilidade de que sua crença esteja errada. Muitos teístas, por admissão própria, estruturam sua crença de uma forma que nenhuma evidência possa dizer o contrário. Os ateus, por outro lado, são fáceis de convencer – só o que é preciso é que Deus apareça de forma incontestável, digamos, por exemplo, fazendo qualquer coisa que ele tenha feito no Antigo Testamento.
  16. Os ateus são maus pais: de novo, existem bons e maus pais ateus e bons e maus pais crentes. Os pais ateus, no entanto, jamais fariam o que Abraão quase fez com o filho Isaque (e os cristãos louvam seu ato), porque, para a maioria dos ateus, a vida é nossa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário